quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Liga: Tragédia Grega


O país parou por causa de um empurrão e de um dedo em riste.

Katsouranis e Luisão, ambos jogadores do Benfica, foram os protagonistas do episódio bizarro da semana.

Mas este artigo não visa analisar o incidente em si nem tomar partido nem do Grego nem do Brasileiro, nem sequer aferir quem, dentro da estrutura do clube, terá que acartar com as responsabilidades. Aquilo que pretendo evidenciar é a falta de ética desportiva da Liga de Clubes, entidade que gere os casos de indisciplina no Futebol Português.

Que se saiba Portugal é um Estado de Direito e que, curiosamente, segundo o artigo 13 da Constituição da Portuguesa, denominado de Principio de Igualdade, está contemplado o principio de que «Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei».

Agora pergunto, porque é que a Comissão Disciplinar da Liga (CD) é recorrente no desrespeito por este principio?

Estará o futebol acima do direito e das leis?

Após o incidente que envolveu Katsouranis o jogador foi alvo de processo disciplinar imposto pelo Benfica a que se veio juntar um processo sumaríssimo instaurado pela Liga.

Para que se perceba o processo sumaríssimo apenas é instaurado caso um acto atentatório para a ética desportiva passe despercebido à equipa de arbitragem. Neste caso a Comissão Disciplinar da Liga baseia-se nas imagens televisivas para decidir os castigos a aplicar.

A comissão disciplina considerou a conduta de Katsouranis "grave" e punível com o artigo 126º do regulamento disciplinar que contempla que "os jogadores que usem expressões (..) ou gestos de carácter injurioso, difamatório ou grosseiro devem ser punidos.». O relatório da CD acrescenta que, para a tomada de decisão recorreu «às fotografias e imagens do jogo»

É aqui que a porca torce o rabo.

Katsouranis foi suspenso por causa de uma foto do jornal "A Bola", não pelas imagens televisivas.

Em Portugal, à excepção dos jogos que envolvem os três grandes poucos são os que têm transmissão televisiva e uma grande cobertura mediática.

Aquilo que está em causa não é a legitimidade do castigo de Katsouranis, é o principio de igualdade entre todos os atletas dado que nem todos os encontros da liga estão munidos de meios técnicos que permitam detectar comportamentos semelhantes.

Ou se abandona esta prática ou se dotam todos os Estádios dos mesmo meios de forma a garantir um tratamento equitativo dos atletas.

1 comentário:

  1. Pedro Cabraljaneiro 10, 2008

    LOL adoro o titulo "tragédia grega". Se o jornal a bola se tive-se lembrado desse desse titulo.

    ResponderEliminar

A sua opinião conta. Faça-se ouvir enviando um comentário