quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Ideologia Skin


Desenganem-se aqueles que pensam que por o fascismo ser proibido pela constituição não consegue difundir a sua ideologia.


São inúmeras as publicações editadas pelo movimento mas, devido à desregulamentação da Internet, o grupo prolifera através de páginas pessoais, blogs, fóruns e salas de chat que se tornam pontos obrigatórios para a discussão de temas que gravitam em torno dos seus interesses.


Embora estes sites estejam constantemente debaixo de olho por parte das autoridades, apenas aqueles que pressupõem filiação e ingresso num partido politico vêem os seus dados cedidos à policia.


Embora muitos desconheçam há no movimento "Skin" uma forte componente ideológica, quase um sentimento de missão de perpetuar o movimento. Para se ingressar no movimento não basta ter o culto corporal e partilhar animosidades xenófobas/racistas, é necessário estar-se embuído na sua ideologia, cultivá-lo, dar-lhe continuidade, criar um legado para os vindouros.


É aqui que a cultura nacional-socialista entra. Mein Kampf (A Minha Luta), o livro editado por Hitler em 1924, uma obra que defende o anti-semitismo e o espaço vital alemão, despoletadores da Segunda Guerra Mundial, é tida quase como uma profecia bíblica.


Chega mesmo a ser atribuído a Hitler um episódio de uma visão premonitória durante o seu serviço militar na Primeira Guerra Mundial. Combatendo em trincheiras, ladeado por mais soldados alemães, uma voz chamou por Adolf Hitler que a seguiu escapando ao rebentamento de um engenho explosivo que, segundos depois, mataria os seus companheiros do exército bávaro.


O filósofo Alemão, do século XIX, Friedrich Nietzsche também é um dos pilares inspiradores da cultura nacional-socialista. Tido com um dos pensadores mais controversos da filosofia moderna, Nietzsche foi um acérrimo critico da moral judaico-cristã, do cristianismo e de toda uma cultura ocidental.


Embora não haja uma estreita ligação entre Nietzsche e o Nazismo, é fácil revermos alguns princípios ideológicos defendidos na sua obra que. posteriormente, foram aplicados ao movimento nacionalista.


Primeiro porque na obra "Assim falou Zaratustra" Nietzsche aborda um super-homem, um ser com dotes sobrehumanos, um Übermensch (Para-além-do-homem) que é tido pelos Neonazis como o Ariano, o ser superior.


Outro dos exemplos é o niilismo, nomeadamente o Completo, que apela a um espírito activo, de criação de legado, defende igualmente que o homem, ao não crer nos valores transmitidos por Deus, deve ele próprio tornar-se produtor de valores. É aqui que podemos estabelecer uma comparação com o espírito de missão patente num membro skinhead.


Relativamente ao Niilismo Incompleto, no qual se nega que a vida terrena deva ser regida por padrões morais, de forma a atingir uma plenitude numa vida metafisica futura, encontramos uma critica à moral judaico-cristã.


No livro "Diário de um Skin" de António Salas encontramos uma citação reveladora da sua critica ao Cristianismo. «Os Deuses Arianos não procuram o apego aos débeis, não procuram proteger os desamparados (..) Os Deuses Arianos só sentem apego pelos que lutam, pelos que enfrentam as adversidades sem dobrar o joelho, pelos que exaltam a força e a beleza.»


«O Cristianismo, essa religião destinada aos débeis e doentes, aos que procuram nos outros a solução dos seus problemas e não em si mesmos (..) Essa religião que procura o desapego á vida terrena, que condena a beleza, o sexo (..)»


No fundo é uma crítica ao conformismo cristão, à consciência de que mesmo sendo mártires na terra, após a morte, atingirão a plenitude. As crenças metafisicas nazis implicam um papel mais pró-activo.


Ao movimento Skin é atribuído um certo paganismo. Um culto paleolítico marcado pelo apego humano à terra e à natureza, pela ligação e corresponsabilidade entre membros de uma comunidade e por um profundo respeito pela ancestralidade e pelos antepassados.


O contacto com a natureza foi defendido por Hitler. Periodicamente são feitas actividades tais como expedições, acampamentos ou simples competições lúdico-desportivas de forma a integrarem-se na natureza.



Relativamente à corresponsabilidade é um dado adquirido, mesmo só, um membro de um grupo de extrema direita deve desempenhar funções colectivas. Individualidade nunca, colectivo sempre.


O respeito pelos antepassados é um dado obrigatório, heróis de guerra e fundadores partidários e ideólogos são quase endeusados, registado quer através de numerosas tatuagens nos seus corpos. Chegam mesmo, nas datas em que as principais figuras pereceram, a celebrar rituais em sua homenagem.


«O homem nasceu para viver em família, para criar e educar uma prole que perpetue no tempo o legado dos seus antepassados. O egoísmo só conduz ao desaparecimento da estirpe, à criação de indivíduos maus, prescindíveis, que só actuam em beneficio próprio, entorpecendo o desenvolvimento da estirpe.»



Nota: Esta é a primeira de várias análise do movimento
Skin tendo por base a obra "Diário de um Skin" de António Salas



Artigos Relacionados:

Reportagem: Vias de Extinção
PNR: Marcha do Poder

8 comentários:

  1. Este cidadão tá sempre a falar dos skins...deixe lá os rapazes em paz...

    ResponderEliminar
  2. Prometo-lhe que durante uns tempos não volto a tocar no assunto :) Vêm ai novos temas e diversificados.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  3. Limito-me a dizer que da mesma maneira que assistimos um pouco por todo o lado à formação de gangs que espalham a violência pelas ruas, os skins espalham as suas convicções, demonstrando que também há fortes motivações nas suas ideologias!
    Da maneira que a criminalidade vinda de negros e emigrantes está a aumentar, há que aplaudir o crescente fenómeno de movimentos skins!
    Saudações a todos os camaradas nacionalistas!!!

    ResponderEliminar
  4. nebulocrustpunxsetembro 17, 2007

    aceito y concordo ke estes malditos nazi skins saum uma desgraça y ke a ideologia deles é um cancer sobre a terra. eu sou anarckopunk y naum tolero estes caras saca? ja por varias vezes entrei em confronto direto com estes tipos. seu texto muito bem feito. agora a parte ke vc diz ke nietzche é nazi meu, você nunca leu nada a respeito disso naum carinha? a irmã dele, esta sim, uma safada duma nazi, vendeu os direitos autrais d irm~]ao apos sua morte, y fez algns de seu escritos circularem no meio dos nazis. em vida, nietzche sempre se mostrou anti nazi,chegando mesmo a escrever textos(basta procurar na net aki meu veio)de repudio a ideologia nazista.
    PUNX NA LUTA CONTRA A INTOLERÂNCIA RACIAL DESTES INFELIZES! SOMOS TODOS IGUAIS, NAUM IMPORTA A COR , A SEXUALIDADE NEM O LOCAL ONDE SE VIVE..

    ResponderEliminar
  5. Caro nebulocrustpunx,

    Agradeco o seu comentário.

    Relativamente à parte onde aborda Nietzsche digo-lhe que sim, já li parte da sua obra. Não digo que Nietzsche é Nazi, porque sei perfeitamente que o não é. Digo, isso sim, que há conceitos presentes na sua obra (o caso do homem de estado superior por exemplo) que foram aproveitados pelos nazis. Aquilo que pretendi dizer, mas talvez me tenha explicado mal, é que simplesmente houve um aproveitamento da sua obra para outros fins.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  6. NAZI SEMPRE!! SIM AO FASCISMO

    ResponderEliminar
  7. Identifico-me perfeitamente com os ideais fascistas, mas nao compreendo a necessidade de um culto corporal por parte dos skins? É mesmo necessario?

    ResponderEliminar
  8. Cara, os skins surgiram na Jamaica e tem ideologias baseadas até mesmo em obras de grandes autores brasileiros (não me lembro os nomes, mas estou pesquisando a respeito) Os Skin "originais" prezam por suas ideologias apenas e não buscam eliminar pessoas pelo que são(exceto os homossexuais), tanto que existe negros que são skin.
    A pessoa retratada na figura na parte superior da página não é um skin, mas sim um nazista ou um neo-nazista. Nazista e Skin não é a mesma coisa!!!!!!!!

    ResponderEliminar

A sua opinião conta. Faça-se ouvir enviando um comentário